Desejo...

Desejo...
Eu sinto teus dedos passeando por todo meu contorno...(clique na imagem)

domingo, 28 de junho de 2009

Teus Seios

Teus seios quando os sinto
Quando os beijo
Na ânsia febril
De amante incontentado
São polos recebendo
O meu desejo
Nos momentos
De amor
E de pecado...
Teus seios
Lembram dois girassóis
Fugindo da sombra
E procurando a luz!
Flores rosas
De uma carne me flor
Que se ostenta
A tremer
Em dois botões
Na primavera ardente
De um amor
Que vive
Para as nossas
Sensações...
Tímidos...
Cheios...
Palpitantes...
Como dois pedaços de carne
Do teu corpo de sereia
Como duas cerejas
Sobre a areia...
Quando os tenho nas mãos
Quantas delícias!
Arrepiam-se
Trêmulos...
Sensuais...
E ao contato nervoso
Das carícias
Tocam-me o peito
Como dois punhais!
Teus seios...
São como fontes
Onde louco
Saciar a sede da paixão
Sede que mata
E que me sufoca...
Aos poucos...
Teus seios
Nada existe
Que os encarne!
São divinos
Pecados da criação
São dois poemas de amor
Feitos de carne.

Renato Luiz

2 comentários:

Olavo disse...

È um lindo poema.. Não a nada mais belo do que ver sentir...seios.
Beijos

ney disse...

Doces e cálidos contornos de vida e amor. ney/